sábado, 30 de abril de 2016

SPORTING TEM PASSADO COM MUITO PARA CONTAR.


Sabia que o ciclismo chegou ao Sporting em 1911 e que foi um dos primeiros clubes filiados na então União Velocipédica Portuguesa/Federação Portuguesa de Ciclismo? E que José Maria Nicolau (Benfica) e Alfredo Trindade (Sporting) protagonizaram grandes e intensos duelos, à semelhança do que acontece no futebol? E sabia que Joaquim Agostinho teve de fazer um teste para ficar em Alvalade? "Perguntei ao João Roque: ‘Onde é que ele já correu?’ Respondeu-me: ‘Em lado nenhum’. Um corredor com 25 anos, e que nunca tinha competido... Bem, fui testá-lo então num treino, com outros corredores que também queriam ser observados. Fiquei logo impressionado, de tal ordem que o Agostinho já não saiu de Alvalade", recordou Manuel Graça, que era à altura dos acontecimentos (final dos anos 60) o diretor-desportivo do Sporting, onde ficou até 1984.
Sporting tem passado com muito para contar

Manuel Graça, agora com 86 anos, refere que o ciclismo do seu tempo "tinha outro impacto", pois o que hoje acontece em muitas modalidades, também havia no ciclismo. "A rivalidade entre o Sporting, FC Porto e Benfica. A nossa equipa tinha uma força muito grande." Sobre o regresso ontem anunciado, não se quer alongar muito por desconhecer alguns detalhes, mas diz que "é sempre positivo".



Mas a história do Sporting também são as vitórias, nove delas na Volta, que Bruno de Carvalho quer ganhar de novo.

MM

IX RAID CIDADE DE BEJA

IX RAID CIDADE DE BEJA


BEJA, BEJA


QUANDO?
 26/06 2016
DOMINGO, ÀS 09:00



INSCRIÇÕES ATÉ
22/06 2016
QUARTA, ÀS 23:59
INSCRIÇÃO
€ 12.00
ALMOÇO
€ 8.00
ACOMPANHANTES
€ 10.00


 
MM

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Turbine o traseiro !

Bumbum.



Seja grande ou pequeno, é a nossa Paixão Nacional e merece todos os cuidados.
O melhor jeito de cuida-lo é indo ao ginásio e fazer exercícios localizados, mas quem não pode frequentar esse serviço, pode melhorá-lo em casa mesmo.
Lembrando que o resultado não será tão grande e imediato como se fizesse no ginásio , mas com determinação e disciplina consegue fazer muita diferença.

Lovely

1- Andar de Bicicleta ajuda a endurecer o bumbum, isso porque trabalha diretamente com os músculos dos Glúteos.
Então, pedalando 1h pelo menos 3 vezes na semana pode dá um resultado legal.
2- Se você não tem bicicleta nem tempo, pedale deitada !
Pode ser na cama ou num tatami, simule o pedalo por 10 minutos.
Lembre-se de alongar as penas antes.


3- Suba escadas!
Esqueça o elevador, e suba todas as escadas que tiver oportunidade.
 Pode parecer parvoeira, mas além de queimar calorias ajuda e enrijecer as pernas.


4- Caminhe !
Acorde cedo ou escolha um dia no final de semana e faça uma caminhada de 1h.
Para o Bumbum, caminhar com passos firmes é melhor do que correr.

bumbum perfeito capa

5- Cuidado com a alimentação.
Esqueça frituras, refrigerante e tudo que tenha muito açúcar.
Invista em cereais, legumes, ovos, queijos magros e frango grelhado.
Substitua a sobremesa por uma fruta ou gelatina, que contém colágeno que dá firmeza à pele.


6 - Treine com a ajuda da internet !
No Youtube tem muitos vídeos com como malhar em casa, exercícios para gordura localizada e etc.
Você pode tirar uma hora por dia, escolher o exercício e reproduzir em casa.
Ana M

Rotas para ciclistas também estão no Google Maps!

Alô, alô!
Enquanto vocês mantêm a mão no guidão, o Google Maps vem com uma mão na roda pra facilitar seus passeios e trajetórias sobre a magrela.
A famosa plataforma de mapas do Google está testando um novo recurso que vai permitir que ciclistas possam encontrar as melhores rotas pra se fazer de bike, mostrando as ciclovias, ciclo faixas, estradas e até trilhas próprias para esse rolê sobre duas rodas.
Pra isso basta que o usuário da ferramenta selecione a opção “de bicicleta” no menu do mapa virtual.
O recurso já está disponível para a galera que quer circular por São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Floripa, Salvador e Santos.
Mas pelo sucesso que tá sendo, logo mais essa facilidade das boas já vai estar acessível pra várias outras cidades brazucas.
Fiquem de olho porque o pessoal no Google é rápido. ;)
Agora falta em Portugal.
MM

DESAFIO ADN

DESAFIO ADN


A-DOS-NEGROS, ÓBIDOS, LEIRIA


QUANDO?
 26/06 2016
DOMINGO, ÀS 09:00



INSCRIÇÕES ATÉ
22/06 2016
QUARTA, ÀS 23:59
INSCRIÇÃO
€ 10.00
ALMOÇO
€ 5.00
ACOMPANHANTES
€ 7.00


 
MM

2 HORAS RESISTÊNCIA URBANA ALCOUTIM

2 HORAS RESISTÊNCIA URBANA ALCOUTIM


ALCOUTIM, FARO


QUANDO?
 11/06 2016
SÁBADO, ÀS 20:30



INSCRIÇÕES ATÉ
08/06 2016
QUARTA, ÀS 23:59
INSCRIÇÃO
€ 12.00


 
MM

4ª MARATANA BTT ALGOZ

4ª MARATANA BTT ALGOZ


ALGOZ, FARO


QUANDO?
 26/06 2016
DOMINGO, ÀS 09:00



INSCRIÇÕES ATÉ
22/06 2016
QUARTA, ÀS 23:59
INSCRIÇÃO
€ 10.00
ALMOÇO
€ 6.00
ACOMPANHANTES
€ 6.00


 
MM

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Maratona Entre Castelos 2016

Maratona Entre Castelos 2016


2ª Edição da Maratona Entre Castelos organizada pelo BTT do Sporting Clube Campomaiorense.

Data:

14 Junho 2015 - 9:00h.
Inscrições até 11 de Junho às 23:59h

Percursos:

55Km

Preço:

Com AlmoçoSem AlmoçoAcompanhante
15 €10 €8 €

Inscreve-te já
MM

terça-feira, 26 de abril de 2016

SUPORTE POR VENTOSAS LEVA BIKE.


Muito fácil e rápido de instalar, o dispositivo transporta qualquer bicicleta em quase qualquer carro

No mercado, há diversos modelos de racks para transportar bicicleta: colocado sobre carro, apoiado no engate de reboque, preso à tampa do porta-malas, etc. O difícil é encontrar um que atenda a todos os tipos de veículos, que não risque ou amasse a pintura e ainda ofereça a versatilidade de fixá-lo no vidro, na tampa traseira ou no tecto.
teste-de-produtos
Estamos falando dos novos suportes do tipo ventosa, como o Leva Bike. Com alto poder de sucção, ele se adapta à maior parte dos veículos, desde que a lataria não tenha vincos - como o tecto do Ford EcoSport. Pesando apenas 5 kg, o kit é composto de três ventosas de silicone, duas para fixar o eixo dianteiro da bicicleta e uma para o traseiro.
Antes da instalação, deve-se limpar a área e posicionar as ventosas perto das colunas, região da carroçaria com maior rigidez. Depois, gira-se as roscas para criar o vácuo e grudar as ventosas. Antes de colocar a bicicleta, retira-se a roda da frente, para encaixar o garfo, que fica preso por uma trava. A roda traseira vai sobre a terceira ventosa, fixada por cinta de velcro. Ao final do processo, a instalação se mostrou simples, rápida e o melhor: não necessita de acessórios ou ferramentas, como outros racks.
Para nossa avaliação, resolvemos testar dois kits de uma vez. Colocados no tecto de um Audi A7, cada um levou uma bike de São Paulo até nossa pista de Limeira (SP), numa viagem de 150 km, com limite de velocidade de 120 km/h. As bicicletas chegaram lá totalmente firmes. Depois, entramos na pista de 4 000 metros de extensão para pisar fundo. Encaramos velocidades altas nas retas e curvas e atingimos a máxima de 190 km/h. Ainda assim as magrelas continuavam bem presas e as ventosas, coladas ao teto.
Aprovadíssimo no teste, o Leva Bike apresentou só três inconvenientes: é caro, exige o incomodo de desmontar a roda dianteira da bicicleta e é fácil de ser roubado - o motorista é obrigado a tirá-lo sempre que não puder deixar o veículo num estacionamento seguro. A solução para esse problema é comprar um cabo antifurto, que vai preso na janela do carro e custa mais.
AVALIAÇÃO Suporte por ventosas Leva Bike Nota: 8,0
_mdb1210-nef.jpeg?1447787778
Simples de usar, ele transporta qualquer tipo de bicicleta sem danificar o carro. Mas é caro e exige que a roda dianteira seja solta.
MM

LOVE TILES DOURO GRANFONDO.

Em 2016, o Douro Granfondo regressa em força e cheio de novidades: o AMOR é o tema da segunda edição da prova que passa a adotar a designação de LOVE TILES DOURO GRANFONDO.


Haverá algo melhor o que o AMOR? Seja qual for a sua forma, o AMOR é presença constante nas nossas vidas, o fogo que arde sem se ver nas imortais palavras do poeta – pelos nossos entes queridos, pela bicicleta e por nós próprios, o AMOR está em todo o lado. Por isso, que melhor associação do que a do DOURO GRANFONDO com a LOVE TILES, produtora de cerâmicas de reconhecida qualidade e que inclui na sua designação precisamente a palavra AMOR, o tema deste ano da prova que já tornou e vai tornar cada vez mais a região duriense no património do pedal.

E como a inovação constante é um dos nossos lemas, temos mais para oferecer aos nossos amigos e participantes: percursos renovados e novas distâncias, mantendo todas as características que fazem deste LOVE TILES DOURO GRANFONDO e das organizações Bikeservice eventos únicos no nosso país.

Assim, a par dos já tradicionais Granfondo e Mediofondo, introduzimos o Minifondo, uma terceira opção, mais acessível em termos de desnível e com metade da quilometragem do Mediofondo, para que mais apaixonados pelo ciclismo possam desfrutar de um dia ímpar como este.

Venha ao Douro e apaixone-se.

O AMOR está no ar e o LOVE TILES DOURO GRANFONDO também...

É já no próximo dia 1 de maio...

Porque aceitar os desafios faz-nos grandes, mas vencê-los torna-nos imortais!



MM

Toca a correr.

MM

Bairrada Ultra Marathon - 150.

Inscrições

logo_bairrada150
O valor da inscrição individual é de 21€,
A opção com refeição (servida das 13 às 22 horas) tem um custo adicional de 11€.
Os acompanhantes que quiserem almoçar terão um custo de 11€ (por acompanhante) e 5,50€ (crianças até 6 anos)


MM

I PASSEIO ESCUTEIROS 894

I PASSEIO ESCUTEIROS 894


MONTEMOR-O-NOVO, ÉVORA


QUANDO?
 07/05 2016
SÁBADO, ÀS 16:00



INSCRIÇÕES ATÉ
04/05 2016
QUARTA, ÀS 23:59
INSCRIÇÃO
€ 7.00
ALMOÇO
€ 6.00
ACOMPANHANTES
€ 7.00


 
MM

domingo, 24 de abril de 2016

A potência no treino do Ciclista.

Acompanhando o crescimento tecnológico exponencial que se tem verificado na modalidade, verificamos que, a grande maioria dos ciclistas, quer profissionais, quer amadores, já não dispensa o recurso ao treino com potência para guiar e controlar todo o processo de treino.
Sendo evidente que existem inúmeras vantagens em treinar com o recurso à força instantânea da pedalada, será que estamos por dentro de tudo o que envolve esta tecnologia e do quanto a mesma pode ser crucial para o crescimento físico dos atletas?
É partindo deste pressuposto/duvida colocada e discutida usualmente entre praticantes, que irei abordar a importância do treino com potência.
biomechanics
Tecnologia
Hoje, encontramos variadíssimos sistemas capazes de medir a potencia instantânea ao pedalar.
Entre todos, verificamos que existem sistemas que analisam a força no próprio pedaleiro, nos pedais ou através de um cubo traseiro.
Com o aparecimento de novos potenciómetros, a tendência é a fiabilidade crescer, quer dos equipamentos atuais, quer dos que surgem, proporcionando meios de medição cada vez mais rigorosos.
Porém, e como ainda existem poucos estudos sobre alguns dos modelos mais recentes, convém termos alguma precaução na escolha dos mesmos, enquanto não é conhecida a validade e fidedignidade dos valores mensurados pelos respectivos potenciómetros.
display_power_meter_cranksO problema que advém de um potenciómetro apresentar uma margem de erro relativamente significativa na leitura dos valores de potencia, é que pode induzir completamente em erro o atleta e com isso, levar o mesmo a treinar completamente fora dos ritmos de treino pré-estabelecidos.
Passando à prática, os potenciómetros podem apresentar uma variação na leitura da potencia na ordem dos 1 a 6-8%. Significa que, os modelos mais precisos, mesmo quando estamos a trabalhar com valores de potencia mais elevados (400 watts ou mais) em séries, conseguimos um rigor no treino bastante alto.
Se considerarmos uma margem de erro de 2%, para uma série em que o alvo sejam os 400 watts, a variação máxima de potência que pode ocorrer variará entre os 392 e os 408 watts, o que será pouco significativo.
Contudo, e à medida que o erro de leitura da potência aumenta, e passando logo para o caso dos rolos de treino, um erro de leitura na ordem dos 15 a 20%, traduzirá uma margem que oscilará entre os 320 e os 480 watts (considerando o exemplo anterior dos 400 watts), sendo um caso completamente descontextualizado e até contra indicado para trabalhar fiavelmente com potencia – isto porque o ciclista estará facilmente  fora das zonas de treino, sem poder ter controlo sobre isso.

O treino
O treino é um processo bastante complexo, exigente e abrangente, que depende de inúmeras variáveis para que o conjunto do encadeamento de todas as sessões surta efeito desejado.
No final, tudo será o resultado da quantidade de trabalho que conseguimos produzir através da resposta mecânica do nosso corpo.
Potência = Força da pedalada X Cadência
powertap-hero2
A frequência cardíaca e a nossa percepção do esforço (escala de Borg) são a melhor forma de medir a resposta do corpo ao treino.
Enquanto que a potência é o meio de quantificar a carga e intensidade do treino.
Os sistemas de treino não nos permitem saber a real resposta do corpo ao processo de treino.
A efetividade real de carga de treino que executamos permanece ainda um mistério, ou quanto muito conseguimos ter uma estimativa, pois na maior parte das vezes não é viável avaliar o atleta por diversas vezes no tempo como seria desejável.
Por outras palavras, não é na realidade passível de saber com detalhe o impacto que um treino tem para o atleta.
Quer seja a sessão de um nível de intensidade baixo ou extremamente elevado. Isto porque, apesar de termos inúmeros meios de controlo do treino, quando passamos para a prática, a intensidade “X” terá um efeito no atleta possivelmente diferente quando aplicado umas semanas ou meses mais tarde.
Isto porque, dependendo do estado de prontidão do organismo do atleta, este estará mais receptivo a conseguir executar o referido exercício, e consequentemente, terá melhor capacidade para assimilar o mesmo.
Outras causas para a não efetividade da intensidade “X”, que condicionarão a assimilação da carga de treino:
  • o atleta pode estar cansado;
  • pode estar mal hidratado;
  • mal nutrido;
  • ter uma noite mal dormida;
  • stress emocional (a nível pessoal, íntimo, trabalho)
Contudo, esta situação não é definitivamente crucial para a evolução do atleta, visto que, ao medirmos no treino a força/potência com que treinamos, será de todo o mais importante, pois conseguimos saber com detalhe com que intensidade estamos a treinar, contribuindo isso diretamente para que o treino se torne desde logo mais eficaz, independentemente de todos os factores externos à carga.
 Isto porque, o impacto do treino, através de diferentes níveis de intensidade previamente estabelecidos em avaliações específicas, será constante e obedecerá a uma dinâmica que se repetirá no tempo, para que, o conjunto de todos esses estímulos resultem no final, na evolução do sujeito na “direção” pretendia.
Estas constatações contrariam naturalmente o controlo do treino pela frequência cardíaca pois, durante a execução do treino, no “timming” preciso em que iniciamos e realizamos cada série de treino, a potência indica-nos logo a força que estamos a executar, enquanto que, a resposta do corpo ao esforço (frequência cardíaca e percepção de esforço), só a temos à posteriori, ou seja, algum tempo após o impacto da carga de treino no organismo.
Mesmo assim, muitas vezes essa informação de resposta ao esforço, pode ser influenciada por inúmeros factores que condicionam em parte a veracidade dessas informações.
Logo, estes valores acabam por ser mais interessantes numa perspectiva de análise para o treinador que, devidamente credenciado e formado, tem as ferramentas necessárias para o estudar e, como já foi referido, estimar o impacto desse treino no atleta.
Treinar com potencia regularmente ajuda a:
  • analisar com precisão até as mais pequenas evoluções
  • quantificar a intensidade, duração e frequência das sessões de treino
  • medir com exatidão a energia despendida em cada sessão
  • treinar com rigor em cada série realizada

Nota final
Mais importante que treinar com potência, é ter bem estabelecidos os ritmos com que devemos treinar, e averiguar a evolução dos mesmos ao longo da época através de uma rigorosa bateria de testes.
Além disso, devemos ter em conta o potenciómetro com que o atleta treina, assegurando que o mesmo fornece o rigor e precisão que procuramos para assegurar a qualidade pretendida para o treino.
Por fim, realço que, potenciómetro deve ser corretamente utilizado, o que pressupõe que o treino seja coerentemente prescrito em função da evolução do atleta e assegurando a saúde do mesmo.
Esta chamada de atenção tem a ver com a ambição inerente ao recurso a esta ferramenta de treino, pois a tentativa de elevar os valores de potência em séries, médias, etc, pode de todo condenar a progressão física do sujeito.
Hoje, verificam-se inúmeros casos em que os próprios atletas consideram ter atingido um tecto de evolução que normalmente não corresponde à realidade, mas sim, condição imposta pelo comodismo no treino “fácil”.

Tiago Aragão
email: tiago.aragao@tiagoaragao.com
facebook: https://www.facebook.com/tiago.aragao
web: http://www.tiagoaragao.com
instagram: https://instagram.com/t_aragao/
twitter: https://twitter.com/tiago_aragao
STRAVA: https://www.strava.com/athletes/1395651


MM

QUERES AJUDA??


MM

Passeio BTT Solidário PSP Elvas e Caminhada Familiar.


MM

KTM

0% de juros, 0% de TAEG, 0% de entrada e 0% de despesas!
Já podes ter a KTM Bike Industries Revelator 3500 Carbon sem qualquer custo com o financiamento! Oferta - sem sorteio - de um equipamento de ciclismo (camisola+calção)! Sabe mais aqui:
http://bit.ly/ktm-bike-portugal
http://bit.ly/ktm-pt-boost-technics
MM

UCI DH World Cup 2016 Cairns Full Replay

Veja a repetição da 2ª prova do Campeonato do Mundo de Downhill que se realizou este fim de semana em Cairns, na Austrália. A prova foi ganha por Loïc Bruni, da equipa Specialized Gravity Powered by SRAM, o 2º lugar foi de Troy Brosnan, da equipa Specialized Racing e a fechar o pódio Mick Hannah, da equipa Polygon UR.

Em: http://www.bttlobo.com/uci-dh-world-cup-2016-cairns-full-replay/
MM

Vistoria detetou anomalias na ciclovia que desabou.

Uma vistoria realizada seis meses antes da inauguração do troço da ciclovia construída para os Jogos Olímpicos Rio2016, que desabou na quinta-feira, provocando dois mortos, já tinha denunciado fissuras na infraestrutura, noticiou no sábado a imprensa brasileira.

Na quinta-feira, um troço desta ciclovia, que contorna o litoral da cidade brasileira sobre um viaduto recém-inaugurado, abateu devido à forte ondulação, fazendo dois mortos.
O troço de viaduto, com cerca de 50 metros, foi construído sobre uma rocha, junto ao mar, e segue paralelamente à avenida Niemeyer. Dois homens de cerca de 40 anos morreram na derrocada, ao caírem no mar juntamente com os escombros.
Segundo o relatório do Tribunal Municipal de Contas (TMC) publicado pela imprensa, tinham sido detetadas fissuras no troço, com a entidade a solicitar a correção destas irregularidades, um alerta que não terá merecido qualquer resposta.
Contatado pela agência AFP, o departamento responsável pelas obras da ciclovia negou ter ignorado o alerta, garantindo que as fissuras detetadas foram localizadas no revestimento e não na estrutura e que foram imediatamente reparadas.
Por seu turno, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, reconheceu que "o acidente teria sido evitado" se as anomalias detetadas tivessem sido corrigidas.
Aquele troço da ciclovia, orçada em 45 milhões de reais (cerca de 11,2 milhões de euros), já está a ser alvo de investigação para determinar as verdadeiras causas do acidente.
Este projeto, que pretende ligar toda a costa do Rio de Janeiro, será utilizado por cerca de 70.000 ciclistas por dia, segundo os cálculos da Prefeitura, que estima que fique concluído para os Jogos Olímpicos, que se realizam entre 05 e 21 de agosto.



MM

Vive Catlike!


Já escolheste a tua cor para 2016?
Vive Seguro, Vive Catlike!

 Catlike 
MM