terça-feira, 30 de junho de 2015

Le Tour 2015 route.



Le Tour 2015 route


Tour de france 2015
Running from Saturday July 4th to Sunday July 26th 2015, the 102th Tour de France will be made up of 21 stages and will cover a total distance of 3,360 kilometres.
These stages have the following profiles:
9 flat stages
3 hill stages
7 mountain stages with 5 altitude finishes
1 individual time-trial stage
1 team time-trial stage
2 rest days
6 new stage cities
Utrecht, Zélande, Livarot, La Pierre-Saint-Martin, Muret, Sèvres - Grand Paris Seine Ouest.
M.M.

10º Maratona Vale do Sado.

10º Maratona Vale do Sado.   Onde? Inscreva-se já!
Alcácer do Sal , Setúbal 
 Quando?
Domingo, 05 de Julho de 2015 às 09:00
Inscrições até: Quarta, 01 de Julho de 2015 às 23:59 
 Quanto?
Inscrição Almoço Acomp. Jersey
12.00 € 8.00 € 10.00 € 18 €
 M.M.

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Volta a Portugal


9ª Etapa da Volta RTP Vitalis
Esta é a vossa equipa! Este é o vosso equipamento!
Até 6 de julho, todos os que se inscreverem na Etapa da Volta podem encomendar o Equipamento Oficial Pacto e levar para casa mais uma recordação daquele dia memorável em que fizeram parte do pelotão da 77ª Volta a Portugal Liberty Seguros!

Inscrições abertas no site da Volta a Portugal em: www.volta-portugal.com/etapas/etapa_volta/

#voltaportugal
#etapadavolta
#oliveiradeazemeis

MM

Volta a Portugal



ALERTA! ALERTA! ALERTA!
Estão abertas as inscrições para a 9ª Etapa da Volta RTP Vitalis, a 5 de agosto em Oliveira de Azeméis!

Inscrições aqui!
http://bit.ly/9EtapaVolta

#EtapaVolta
#MiniEtapaVolta
#voltaportugal
#DiaDescanso
#Oliveiraazemeis


MM

Volta a Portugal.


Volta a Portugal

Quem quer pedalar 34 Km como um CAMPEÃO?
Ainda há tempo de treinar até 9 de agosto. A partida está marcada para Vila Franca de Xira!
Toda a informação aqui: http://bit.ly/PasseioVolta2015
#passeiodavolta
#voltaportugal
#vilafrancaxira

M.M.

Volta a Portugal.



ATENÇÃO! ATENÇÃO! ATENÇÃO!
Estão abertas as inscrições para o 3º Passeio da Volta na página www.volta-portugal.com

Quando, onde, quantos quilómetros e para quem?
9 de agosto 2015
Vila Franca de Xira até Lisboa
34,4 Km
Todos vocês, os amantes das duas rodas!

Contamos com as vossas pernas! grin emoticon

#voltaportugal
#passeiodavolta
#vilafrancaxira
#lisboa



M.M.

terça-feira, 23 de junho de 2015

Walkydog A segurança para passear com o seu cão de bicicleta.

Com Walkydog passear de bicicleta com o seu cão é totalmente seguro porque a ligeira barra de aço afasta o animal da bicicleta e mantém-no a uma distância suficiente para evitar que se cruzem. Além disso, permite-lhe ter as mãos livres para indicar mudanças de direção, etc.
Com tudo isto garantiza-se a sua segurança, assim como a do seu cão e a da sua bicicleta.


De muito fácil manejo, adapta-se a todas as hastes das bicicletas (suporte dos selins); possui ainda um fecho rápido para colocá-lo ou retirá-lo num instante.
Quando tira a barra da bicicleta, pode usá-la como correia curta para passear com a sua mascote. 
Walky dog assembly
Você e o seu cão poderão realizar juntos os seus passeios favoritos, realizando os dois um exercício excelente para a sua saúde e uma descarga de energia necessária para libertar o estresse que supõe, para um descendente do lobo, viver entre 4 paredes!
Barra carro
É muito cómodo e o animal adapta-se ao seu uso imediatamente. Prove primeiro caminhando com o seu cão atado ao Walkydog e verá como de seguida se acostuma a caminhar junto à bicicleta. Dentro da barra existem três molas que podem absorber um esticão se o seu cão puxa repentinamente pela corda; isto evita que possa cair da bicicleta. Podem ser retiradas uma ou duas molas dependendo da força e peso do seu cão e do comprimento que queira dar à corda.Separador carro
¡Outro motivo mais para fazer exercício e bem acompanhado!
Tiendanimal oferece-lhe o Walkydog original fabricado na Itália, este inovador produto abre-nos um mundo de possibilidades para poder compartir mais tempo com o nosso cão. Se existem várias bicicletas na sua família, pode adquirir adaptadores extra para os colocar em diferentes bicicletas e passear o cão da casa com qualquer uma delas
Walkydog Low Rider
Também pode adquirir na nossa loja o acessório Low Rider, que lhe permite fixar a barra de aço ao eixo da roda traseira. Este sistema é recomendável para cães grandes ou muito fortes, já que evita que possam atirar o seu dono da bicicleta. Muitas pessoas preferem-no também para cães pequenos, pois este acessório coloca a barra mais perto do chão.
Ajuste rápido do Walkydog
M.M.

O Xiclista.

A Sulista não tem conseguido disfarçar a curiosidade em pretender identificar-me sempre que edito fotografias de grupos que eu integre. 
Porque não é delicado manter essa situação de indefinição.

MM

A Mulher, a bicicleta e a Autonomia.

“Mulheres de bicicleta ainda remetem muitos à imagem de uma tripla fragilidade: de gênero, transporte e vida.
Valorizamos esta última, mas combatemos as duas primeiras”.
Há alguns anos, vi uma explicação de Drielle Alarcon, uma das fundadoras do coletivo de pedal feminino Pedalinas. Essa construção lógica é gritante dentro da nossa sociedade e se tornou cada vez mais alarmante para mim, conforme fui digerindo o assunto ao longo dos anos.
As fragilidades citadas não nos são inerentes, mas construídas e legitimadas por determinadas camadas da sociedade, que ganham com a falta de autonomia dos indivíduos e de grupos constituídos.
bik4geni
A bicicleta, um dos elementos frágeis dessa imagem, é coincidentemente um dos maiores instrumentos de libertação que se conhece. Ela possibilita uma independência frente a várias necessidades de consumo e faz da pessoa o motor do próprio deslocamento, o que eu entendo como fundamental em um processo de aquisição de autonomia.
Ela abre alternativas de mobilidade num sistema já lotado de velhas respostas e que sempre ganha com a marginalização e a imobilidade do ser humano. A maior beleza da bicicleta é essa: ser libertadora e, por isso, capaz de gerar em seus usuários uma nova sensibilidade dentro de cenários gastos e que primam por respostas prontas.
O outro elemento supostamente frágil é a mulher. Quotidianamente são colocadas num lugar onde o potencial é subestimado ou mesmo reprimido, de maneira consciente ou não. Como mecânica de bicicletas, minha autonomia era sempre questionada e usurpada em pequenos gestos, desde a oferta de ajuda relacionada à destreza ou força física – argumento mais recorrente -, até o comentário de homens sobre como nunca tinham visto uma mulher mecânica. Muitos clientes quiseram colocar no estande a bike que eles consideravam pesada, pois achavam que aquilo era demais pra mim. Cheguei a ter homem parado na porta da oficina, observando meu trabalho por minutos a fio, pois “nunca tinha visto uma mulher fazendo esse tipo de trabalho”.
Experiências como essas me levaram a crer que é a alienação do potencial de trabalho manual e autônomo que fragiliza tanto a mulher quanto a bicicleta, e qualquer outro elemento que venha a romper com as estruturas que se alimentam da dependência do ser humano. É cada vez mais claro que não é interessante a autonomia das pessoas, pois ela não gera lucros obscenos nem subserviência.
Para mim, a força inerente a uma mulher que não somente usa um instrumento libertador, mas também é autônoma em relação à manutenção dele e tem essa manutenção como ofício, era uma realidade cotidiana. Mas descobri que ainda era uma questão para muitos. Ao longo do tempo, essas questões deixaram cada vez mais claro em que mundo eu vivo: um mundo disposto a questionar sempre a liberdade daqueles de quem não se espera uma independência. Um questionamento que muitas vezes não era propositivo e um deslumbramento em cima dessa profissão que, por trás, deixava claro quanto atos simples podem ser tão dissidentes e perigosos.
Há estudos que mostram que o nível de viabilidade ciclística de uma cidade pode ser medido pelo número de mulheres pedalando. A primeira vez que eu li isso pareceu positivo. Hoje em dia fico frustrada ao entender exatamente o porquê da necessidade de ruas mais bem iluminadas e de vias melhor estruturadas para que mulheres pedalem. Mulheres “precisam” de estruturas mais seguras.
Não somos frágeis
Quando eu ouço “tem poucas mulheres no cicloativismo” ou “poucas mulheres têm esse tipo de trabalho”, minha reação imediata não é ficar triste com as mulheres por elas não se engajarem, mas sim refletir sobre a forma como a sociedade cria suas mulheres e quais os cenários que nos são apresentados desde que somos pequenas. Como mulher, eu aprendi que nenhum lugar é seguro, algo que nem passa pela cabeça de muitos homens. Não tem nada de errado em chamar sua filha de linda desde cedo, mas por que não somar a isso outros adjetivos como independente, livre, inteligente, questionadora, forte, dona de seu próprio destino?
Essa opressão cotidiana aparece sob diversas formas e se efetiva na demarcação de limites. Qualquer pessoa pode até se sentir protegida dentro dessa delimitação, mas no dia a dia esquecemos de pensar o porquê desses limites e pra quem eles trazem benefícios.
As pessoas mais fortes que tenho ao meu redor são mulheres, e são elas que com mais frequência recebo chorando no bar que tenho hoje. Essa imagem construída de fragilidade impõe a necessidade de uma força multiplicada, de uma energia e de uma sensibilidade ímpares. E o choro não é a fragilidade, é o extravasar das pequenas violências que todas sofremos no dia a dia.
O uso da bike, a mecânica da bike e a experiência da coletividade me trouxeram uma noção de companheirismo com outras mulheres, da importância do apoio que devemos dar umas às outras. E a noção do quanto essa fragilidade imposta, essa opressão cotidiana diluída no mar gigantesco do mundo, nos protege menos que nossa própria força, nosso foco, nossa organização, nosso senso de comunidade.
Nós não somos frágeis. Nos impuseram esse papel, nos violentaram e agrediram, aberta ou sutilmente, ao longo de anos, até muitas de nós acreditarmos nisso. A bicicleta é um começo do processo da libertação de muitas mulheres, por isso ela é perigosa. Assim como a mulher ter consciência da sua força é perigoso.
A quem interessa manter essa imagem de dupla fragilidade? Quem sai ganhando com a submissão das mulheres ou da bicicleta? Quem sai ganhando com a submissão de uma mulher de bicicleta?

Ana M

IV Raid BTT Igrejinha 2015.

igrejinha_raid15

Inscrições: 7 Rodas
Almoços: 10 Rodas
A prova está limitada a 300 inscrições e 100 almoços.
                                                                       MM

quinta-feira, 18 de junho de 2015

VeloViewer cria perfil 3D da altimetria das pedaladas que faz.

Site VeloViewer cria perfil 3D da altimetria das pedaladas que você faz.



O VeloViewer é um site patrocinado pelo Strava. Ele pega as informações do seu perfil e extrai algumas informações que vão além da análise do Strava.
Velo_Viewew_01
Uma coisa que eu achei fantástica, é a criação desse perfil 3D da altimetria dos pedais. Dá uma noção sensacional do relevo da região. E as cores mostram as inclinações dos trechos, como podem ver na legenda.
Você pode também fazer o perfil 3D dos segmentos. Essas imagens são de duas trilhas que fazemos com frequência aqui em Brasília, a Taboquinha (Acima) e a Tapajós (abaixo). Entre aqui no VeloViewer para saber mais.
Velo_Viewew_02
Valeu pela dica, Marcelo Frossard

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Bretelle feminino da Specialized facilita na hora do xixi.

O Bretelle HookUp da Specialized trouxe uma inovação muito interessante para as mulheres. Ele tem um fecho atrás, que possibilita que se abaixe o bretelle por trás, possibilitando que a mulher possa ir ao banheiro sem tirar a roupa toda para fazer xixi.
Vejam o vídeo

 Ana M

Saúde da mulher que trabalha piorou em 20 anos.



A dura rotina das mulheres, que se desdobram entre o trabalho e os cuidados com a casa, tem impacto na saúde. Um levantamento feito por uma empresa especializada em check-ups de executivos mostra que os indicadores de saúde das diretoras de empresas pioraram nas últimas duas décadas. Elas hoje sofrem mais de hipertensão, gastrite, depressão, diabetes do que no início da década de 1990.

O estudo é focado em exames feitos por altas funcionárias de grandes empresas, mas dados do Data-SUS (banco de dados do Sistema Único de Saúde) mostram que os resultados valem para toda a população. "Há cinquenta anos, de cada dez mortes por infarto, nove vítimas eram homens e uma era mulher. Atualmente essa proporção está em seis homens e quatro mulheres", afirma Carlos Alberto Machado, diretor da Sociedade Brasileira de Cardiologia.
Para Machado, as mulheres sofrem o "peso da dupla jornada". "Elas passaram a ser submetidas às mesmas situações de estresse dos homens. Só que vão para o trabalho e não se desligam da casa". O diretor-médico da Med-Rio Check-up, Gilberto Ururahy, analisou 60 mil prontuários de pacientes - 48 mil homens e 12 mil mulheres - realizados desde 1990. Alguns hábitos melhoraram. A alimentação desequilibrada, para ambos os sexos, caiu de 80% para 53%.
Homens e mulheres fazem mais exercícios. A vida sedentária - que chegava a 70% das mulheres e 65% dos homens - hoje atinge 50% dos pacientes. A obesidade caiu de 12% para 8% de todos os pacientes. Por outro lado, aumentou o consumo de bebida alcoólica entre as mulheres - de 25% das pacientes para 50%. Elas até reduziram o fumo - de 45% para 35%. Mas ainda fumam mais do que os homens (15%). Também cresceu a proporção de mulheres com hipertensão arterial (12% para 20%), gastrite (2% para 18%) e fadiga (10% para 15%).
"Nesses últimos 20 anos, a mulher se firmou cada vez mais no mercado, mas isso teve um efeito. O nível elevado de estresse faz com que produza cortisol permanentemente, o que atinge a mucosa gástrica. Ela não dorme bem, acorda cansada, e para se manter ativa consome doses excessivas de cafeína. Mais adiante vem a insônia", descreve Ururahy.
Ana Carolina Siniscalchi, de 44 anos, diretora comercial de uma companhia de navegação, vinha num ritmo pesado de trabalho, abatida pelas diferenças de fuso horário impostas por viagens, quando fez o primeiro check-up, há 4 anos. "Eu sofria com a pressão baixa, tive aumento de peso, não imaginava que fossem sintomas de doença. Descobri nos exames que eu tinha hipertireoidismo, com uma manifestação atípica, que parecia hipotireoidismo. Como estava muito inicial, já tratei e normalizou", conta Ana Carolina. Orientada pelos médicos, voltou a fazer atividades físicos. "A retomada dos exercícios me deixaram mais equilibrada. Não sinto mais o cansaço de antes".
visto em: www.logico.lol@...

ANA M.

XII RAID BTT Trilhos de Baco VIDIGUEIRA

XII RAID BTT Trilhos de Baco VIDIGUEIRA






Onde?

Inscreva-se já!
Vidigueira, Beja

Quando?

Domingo, 16 de Agosto de 2015 às 09:00
Inscrições até: Quarta, 12 de Agosto de 2015 às 23:59

Quanto?

InscriçãoAlmoçoAcomp.
12.00 10.00 €10.00 €

Mais informações?

Para obter mais informações acerca deste evento clique no botão abaixo.

Detalhes do evento

MM

domingo, 14 de junho de 2015

Prioridade é prioridade!!!

Prioridades! Você está fazendo a coisa certa!!!!

Assédio a ciclistas também faz vítimas nas ruas.

O assédio.
Você sabia que existem pessoas (entre homens e mulheres) que têm receio de encarar a cidade (seja a pé ou de bicicleta) pelo simples medo de serem assediados?
De terem seus espaços invadidos com uma piadinha, gesto e até contato físico?
Pode parecer exagero, mas este assunto é sério e exige reflexão constante.
E talvez seja um dos temas mais difíceis e complexos de se discutir, exatamente em função de sua aceitação e tolerância social.
Nestes poucos anos pedalando e conversando com muitas mulheres, arrisco dizer que o assédio é – de longe – uma das principais reclamações e motivos de desestímulo das meninas.
A quantidade de histórias que ouvimos e lemos na internet chega a ser desanimadora.



Ana M.

Cadeira para levar criança na bike que também é carrinho de bebê.

Um projeto lançado no Kickstarter pela empresa Pahoj, trouxe uma incrível ideia de fazer um produto 2 em 1. Uma cadeirinha de levar criança na bike se transforma em um carrinho de criança comum.
Cadeirinh2
A cadeira tem um segurador telescópico e suporte da cadeira ajustável, de forma que ele sirva para as duas coisas.
Cadeirinha
Vejam como

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 2015.

Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas 2015






Dia de Portugal do Senhor Embaixador de Portugal em Otava.





Leia aqui a mensagem do Senhor Cônsul-Geral de Portugal em Toronto.





Visualize aqui o diploma oficial da proclamação em 1986 do Dia de Portugal no Ontário, assinado pelo Senhor Ministro da Cidadania e Cultura Tony Ruprecht e S. Exª o Premier do Ontário David Peterson





Visualize aqui o diploma oficial da proclamação em 1987 do Dia de Portugal no Ontário, assinado pelo Senhor Ministro do Multiculturalismo Tony Ruprecht e S. Exª o Premier do Ontário David Peterson.





Conforme indicado em anterior posting deste blog, por força da Lei 120/2001, a Província do Ontário passou a reconhecer oficialmente o dia 10 de junho como Dia de Portugal no Ontário e o mês de junho como um mês para a celebração do património português na Província.



Desde 1986 que diversos deputados do Parlamento Provincial do Ontário têm efetuado numerosas declarações alusivas ao dia e mês de Portugal. Leia aqui essas intervenções, incluindo as alusivas à aprovação em 5 de dezembro de 2001 da referida Lei 120.
M.M.

domingo, 7 de junho de 2015

1º TROFÉU DE BTT INTER-FREGUESIAS do concelho de Portalegre.







Os Ases do Pedal em colaboração com as Freguesias do concelho de Portalegre vão levar a efeito o 1º TROFÉU DE BTT INTER-FREGUESIAS do concelho de Portalegre.
O Troféu na modalidade de 2H00 de Resistência vai decorrer entre Outubro de 2015 e Abril de 2016 nas seguintes datas:
  1. 25-10-2015 – Sé e S. Lourenço
  2. 15-11-2015 - Alegrete
  3. 13-12-2015 – Reguengo/S. Julião
  4. 10-01-2016 - Urra
  5. 14-02-2016 - Fortios
  6. 13-03-2016 - Ribeira Nisa/Carreiras
  7. 10-04-2016 – Ases do Pedal
Como habitualmente as inscrições vão decorrer via página dos Ases do Pedal e o Regulamento já pode ser consultado aqui.
Continue a pedalar,
Ases do Pedal





 MM

FIXA DE MADEIRA.

 Feita pelo designer alemão Arndt Menke-Zumbrägel, misturando partes em madeira e metal. 


 Atenção para o detalhe do suporte traseiro do quadro.

MM

As top de estrada IV.

Trek Madone 6.9 SSL

Pode se dizer que a Trek Madone possui um currículo invejável. Ela carregou o vencedor de 9 dos últimos 11 Tour de France. Um pedigree e tanto! Hoje ela é a bicicleta oficial de duas grandes equipes do ProTour, a Trek Leopard e RadioShack.

O modelo SSL
Em 2011 a Trek lançou a variante SSL para a família Madone Série 6. O modelo é 100g mais leve do que o do ano anterior. Dessas 100g, 50g foram retiradas do quadro, 30g foram reduzidos com um novo processo de pintura e 20g no garfo.

Com essas alterações o quadro do tamanho 56 pesa somente 815g. Incrivelmente leve. A Trek diz que essa diminuição no peso não sacrificou rigidez ou durabilidade. De acordo com a empresa, o nova fibra de carbono HexSL é 10% mais resistente e rígida do que o OCLV Red blend utilizado anteriormente, dessa forma permitiu a diminuição do peso, sem sacrificar a qualidade da bicicleta.


Outra inovação é o movimento central BB90. Mais largo e com peças integradas, reduz a quantidade de peças móveis, deixando a bicicleta mais leve e por ser mais largo, faz com que a rigidez da bicicleta aumente. Vejam a imagem ao lado.

A  Tecnologia Trek
A Trek utiliza materiais com um nível muito alto de tecnologia. O fato de ter a fábrica localizada nos Estados Unidos, facilita o teste e utilização de diversos materiais desenvolvidos por faculdades e centros de pesquisa espacial na fabricação de suas bicicletas.

Para se ter uma idéia, no laboratório da Trek em Waterloo, Estados Unidos, que é o maior em pesquisas de carbono de bicicleta do mundo, a empresa possui uma equipe de 37 engenheiro de carbono responsáveis por desenvolver, testar e analisar as fibras de carbono utilizadas em suas bicicletas.


O carbono HexSL, é a primeira fibra de carbono industrial que conseguiu aumentar significativamente a rigidez e resistência ao mesmo tempo. Vejam a comparação entre os carbono utilizados pela Trek ao lado.

Customização e Fiting

Uma opção interessantíssima que a Trek traz para seus clientes é o chamado Project One. No próprio site da Trek, é possível modificar a bicicleta toda. Cor, componentes, grupo e até escrever mensagens pessoais na bicicleta.
São 24 cores diferentes, pode-se escollher as rodas, pneus, mesas, guidões, fita de guidão, canote, banco e headset, sendo que cada um desses existem pelo menos 10 opções para escolher. Também pode se escolher entre mais de 20 opções de grupos e cores de cabeamento. A variedade de estilos é incrível, é possível customizar a bicicleta nos mínimos detalhes.

Para se adaptar ao maior número de clientes, a Madone 6.9 possui três geometrias diferentes: H1, H2 e H3.

A H1 possui uma posição mais aerodinâmica com uma frente mais baixa, boa para atletas com bastante flexibilidade.

A H2 possui a frente um pouco mais elevada e fornece uma posição um pouco mais confortável.

A H3 e ideal para quem quer poupar as costas e o pescoço, ela possui uma posição ainda mais elevada e com algumas modificações de geometria para manter a estabilidade da bicicleta.

MM













As top de estrada III.

Dogma 60HM.1K


A Dogma 60.1 é uma obra de arte sobre duas rodas, desde a beleza de suas formas à tecnologia utilizada em sua construção. Veja as principais características de bicicleta incrível.

O carbono




O carbono utilizado na Dogma é o 60HM1K. A fibra utilizada para fazer a trama de carbono possui de 5-8 micromilimetros (milionésimo de milímetro) e é feita através da oxidação, pirólise e carbonização da poliacrilonitrila. É considerado o material com maior capacidade de suportar pressão no mercado. O 60HM significa que a fibra suporta 60 toneladas por polegada quadrada. O 1K significa 1000 fibras por centímetro quadrado. Por ser tão resistente, é possibilitada a utilização de menos material na fabricação, fazendo com que o quadro da Dogma pese apenas 900 gramas e seja extremamente rígido.

Outra tecnologia utilizada é a Taroyca Nanoalloy, nanotecnologia que praticamente faz com que o carbono se auto-regenere, evitando que microfissuras se transformem em rachaduras no quadro.

Assimetria
Bicicletas de corrida sofrem pressões de forma assimétrica em sua estrutura. Isso ocorre porque que o sistema de transmissão está todo localizado do lago direito da bicicleta. Essa força assimétrica causa torções no quadro que reduzem a quantidade de força transmitida dos pedais para o chão, ou seja, existe uma ligeira perda de velocidade. Além de causar pontos de estresse no quadro, que com o tempo acabam fragilizando a bicicleta.
Para solucionar isso a Pinarello fez modificações em partes específicas do quadro da Dogma, compensando as forças exercidas assimetricamente na bicicleta.

MM




As top de estrada III.

O projeto inicialmente foi chamado de F01, antes do lançamento, a Scott resolveu colocar mais um L na equação. A F01L, com a estilização da escrita e a referencia a Airfoil (aerofólio em inglês), veio do batismo de Foil.
A Scott diz ter resolvido o problema das bicicletas Aero, que sempre lutam com a questão de quanto de rigidez e peso terão que sacrificar, para beneficiar a aerodinâmica. De acordo com a Scott, nenhum sacrifício precisa ser feito. A Foil é tão rígida e leve quanto a Scott Addict, bicicleta top de linha da Scott, porém é uma bicicleta Aero. Qual foi o segredo?

Virtual Foil


A resposta veio através de Simon Smart da Smart Aero Technology, ex-engenheiro da F1, desenvolvedor de um dos últimos sucessos da Scott, a bicicleta de Contra-Relógio Plasma 3. Simon gastou mais de 100 horas no túnel de vento da Mercedes (o mesmo que a Specilized utilizou no projeto da Venge McLaren), testando o melhor formato do quadro, para atingir os resultados esperados.

Fluxo de Ar


O resultado foi o formato de aerofólio virtual. Virtual porque o formato de aerofólio não é completo, mas cortado no meio (vejam a imagem acima), porém, a parte frontal do frontal do quadro, que se choca com o vento, provoca uma separação do fluxo de ar, que diminui a resistência e a turbulência, melhorando a performance da bicicleta. Esse formato faz com que em um olhar rápido, a Foil nem se pareça com uma Aero.
Esse formato permite que o quadro seja mais largo, ou seja, pode ser mais rígido e leve. O quadro da Foil pesa 840g, somente 40 gramas mais pesada que a Addict e possui a mesma rigidez que a irmã, só que também possui a mesma aerodinâmica que as concorrentes Felt AR1 e Cervélo S3, que clamam economizar 20 watts de potência ao pedalar a 40 km/h, em relação a quadros convencionais.

Resultados
Rigidez


A rigidez da bicicleta é semelhante as melhores do mercado.

Aerodinâmica



Em testes no túnel de vento, a bicicleta teve excelentes resultados. Na simulação com o manequim de ciclista, com um grau de inclinação 0?, a Foil se mostrou bem mais aerodinâmica do que suas concorrentes a uma velocidade de 45km/h.

A Proporção Perfeita

A Foil conseguiu a relação ideal entre peso, rigidez e aerodinâmica. O gráfico acima mostra que a bicicleta conseguiu atingir altos níveis de rigidez, mesmo sendo uma bicicleta aero.

Análise pela Bike Radar
A Bike Radar fez uma avaliação sobre a bike. O veredicto dos testes, mostrou que a bicicleta é extremamente leve, rígida e rápida. Porém não é tão arisca como suas concorrentes, para realização de manobras bruscas e rápidas, é necessário um leve empenho a mais do que nas suas concorrentes AR1 e S3, que são mais ariscas.

Ela vem com:
A Scott Foil bem com as seguintes configurações:

Shimano Dura-Ace DI2
Rodas Zipp 404
Mesa Ritchey
Canote de Selim Ritchey
Conduites por dentro do quadro
Banco Fi’zi:k Arione CX
MM