domingo, 27 de setembro de 2015

Assassínio de ciclista.

Absolvição de menores que confessaram ter esfaqueado e matado ciclista.

É complicado… O Ministério Publico tomou uma atitude bastante estranha nessa quarta-feira, ao solicitar a condenação de um dos menores que cometeram o crime de assassinar Jaime Gold, ciclista que estava pedalando Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul do Rio de Janeiro, em 19 de maio, sendo que ele sempre negou a participação no fato e pediu a absolvição dos outros dois menores, que confessaram a participação e inocentaram o primeiro.
Ciclista_Morto
Os três tinham entre 15 e 17 anos.
“É uma situação que nunca vi na minha vida. Esperamos a sentença. A única coisa que liga o adolescente ao fato é uma testemunha”, afirmou Alberto Júnior, um dos advogados de defesa do primeiro adolescente. A audiência terminou por volta das 22 horas e a juíza Michelle Gouvêa Pestana, da Vara da Infância e da Juventude, vai proferir sentença a sentença no prazo de até dez dias.
De acordo com os promotores, Luciana Benisti e Renato Lisboa, que a “simples” confissão dos dois jovens de 15 e 17 anos, não comprovam a participação deles no crime, já que eles não foram reconhecidos pela única testemunha ocular do caso, um frentista de 28 anos.
Mas já o primeiros dos menores, de 16 anos, que negou a participação do crime, voltou a ser reconhecido por esse homem, segundo o defensor público Fábio Schwartz, advogado dos dois garotos que confessaram o crime. “A confissão deles não se harmonizou com as provas. O que os adolescentes dizem que fizeram não é corroborado com a principal testemunha.”
A defesa do primeiro jovem reclama que pediu três acareações à Justiça e que nenhuma foi autorizada. Segundo o advogado Djefferson Amadeus, outro advogado do adolescente, o frentista afirmou nesta quarta que o autor das facadas era branco. “O frentista diz de forma clara que quem deu a facada foi o branco, o mais claro. O mais claro está lá”, declarou, referindo-se ao terceiro jovem.
Todos os suspeitos estão detidos, sob os cuidados do Departamento Geral de Ações Socioeducativas (Degase). Na quarta, os advogados de defesa do primeiro adolescente apreendido impetraram habeas corpus em favor do jovem, mas foi negado pela desembargadora Denise Vaccari, da 5ª Câmara Criminal do TJ-RJ.
Visto em: pra quem pedala.
MM

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.