quinta-feira, 30 de julho de 2015

Galegos na linha da frente.


Fernandez, Marque e Veloso treinam-se quase sempre juntos.
Galegos na linha da frente
DELIO É O ÚNICO DOS TRÊS AINDA EM BRANCO, TENDO FICADO EM 3.º LUGAR NA ÚLTIMA EDIÇÃO

Os galegos têm dominado as últimas edições da Volta a Portugal, com sete triunfos desde 2006. Cinco por intermédio de David Blanco, um por Alejandro Marque e outro com Gustavo Veloso. E preparam-se para ganhar mais uma, em 2015, apresentando não um, mas três grandes candidatos: de novo Gustavo Veloso (W52), campeão em título, Alejandro Marque (Efapel), vencedor em 2013, e Delio Fernandez (W52), que tem como melhor resultado o terceiro lugar o ano passado. Há vários anos que correm no nosso país, sendo o mais antigo Marque, há 12 anos, tendo feito sempre carreira no pelotão nacional, depois de gorada a oportunidade de no ano passado correr o World Tour, na Movistar.


São adversários nos mesmos objetivos, mas sobretudo amigos e companheiros de treinos e ontem na apresentação das equipas em Viseu, Record juntou-os para em conjunto falaram sobre a amizade que os une e claro das expectativas para mais uma edição da prova.


"Somos três grandes amigos, treinamo-nos juntos e já corremos nas mesmas equipas. A rivalidade é só na estrada", frisou Delio Fernandez, o mais novo, de 29 anos, sendo esta a sua sexta Volta a Portugal que faz, a quinta por equipas nacionais. Fernandez revelou, aliás, que tem descendência portuguesa, por parte do avô materno.


"Temos uma bela e grande amizade desde quando éramos amadores. O Gustavo e eu sempre nos treinámos juntos, o Delio é mais novo, veio depois", sublinhou por sua vez Alejandro Marque, de 33 anos, que viveu uma situação ingrata, quando foi suspeito de doping no triunfo em 2013 e só ilibado um ano depois. Esta situação impediu-o, pois, de concretizar o objetivo de correr aos 31 anos no World Tour, quando foi dispensado da Movistar. Com a Volta homologada e após um ano sem competir, Marque surge no pelotão mais motivado do que nunca para voltar a reinar, sendo a arma da Efapel. Mas sabe que a oposição dos compatriotas é forte.


"O Delio pode ser o trunfo da W52, uma vez que o Gustavo terá de se assumir como líder da equipa, deixando-o mais liberto", frisa Marque, lembrando que viveu experiência idêntica há dois anos quando partiu como braço-direito de Gustavo Veloso, acabando por vencer a prova.


Dois candidatos, uma equipa


A equipa do W52-Quinta da Lixa surge muito confortável no arranque da edição 2015. Agora comandada pelo presidente/diretor-desportivo Nuno Ribeiro, apresenta de novo dois fortes candidatos. "O Gustavo, por ser o campeão, é o principal favorito. É nele que temos de confiar. Eu estarei por aí, à espreita, pois o ano passado já mostrei que consigo estar com os melhores", diz Delio Fernandez, fazendo questão de esclarecer as hierarquias na equipa de Sobrado, vencedora então das duas últimas edições.


Quem não vai na cantiga do rótulo de principal campeão é Gustavo Veloso. "O último vencedor é o que leva o n.º 1 e considerado por isso o máximo favorito. Mas a corrida ganha-se na estrada. Como uma formiguinha, vou trabalhar dia a dia. Só em Lisboa saberemos quem será o vencedor. E se os adversários estiverem mais fortes, temos de lhes dar os parabéns."


Domínio


A Espanha é o segundo país com mais triunfos individuais na Volta, com 11, surgindo atrás de Portugal, que contabiliza 56. Segue-se com dois títulos a Itália e com um os seguintes países: Bélgica, Grã-Bretanha, Brasil, Polónia, Suíça, Dinamarca e Rússia.

MM

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.