segunda-feira, 4 de maio de 2015

A nobre arte de fazer malabarismos na bicicleta.

Esta foto, além de mostrar o verdadeiro trabalho de equipa, é também um exemplo dos malabarismos que muitos ciclistas são capazes de executar em cima de uma bicicleta. Empurrar um ciclista ao nosso lado com uma mão poderá ser coisa simples. 
Já o regar a horta em andamento só mesmo para os mais audazes, pois qualquer imprevisto poderá causar um desastre com consequências disfuncionais.
Na estrada há todo o tipo de condutores. 
Dos mais descontraídos, aos mais tensos. 
Dos que conduzem com os joelhos para que as mãos possam estar a fazer outras tarefas complexas, aos que vão com as duas mãos a agarrar o volante com uma força desgraçada e a cara quase colada ao vidro. 
Eu não pedalo com as mãos cravadas no guiador como se o quisesse entortar, ou sigo incapaz de desviar a atenção do que está à frente na estrada. 
A prova é que consigo beber água em andamento, calço e descalço os sapatos nas provas de triatlo, e vou apreciando a paisagem e conversando com os do lado quando isso é possível. 
Porém, isso não quer dizer que eu esteja completamente à vontade em cima da bicicleta, ou que arrisque fazer um malabarismo. 
Nem pensar.
Nunca fui capaz de pedalar sem as duas mãos no guiador. 
Até me arrepio quando vejo quem faça isso em descidas, aproveitando as mãos livres para comer uma banana. 
O pressentimento que tenho é que, ao tirar as duas mãos guiador, este vai virar repentinamente para um dos lados, provocando a “Mãe de todos os trambolhões”. 
Mas se o guiador dos outros não vira assim, porque raio iria o meu virar? 
Não sei, mas tenho a certeza que isso ia acontecer. 
O guiador tem de estar sempre a ser agarrado com uma mão. Inegociável.
E mesmo a agarrar o guiador só com uma mão, não se pense que transpiro equilíbrio e tranquilidade. 
Quando combinamos treinos e encontramos outros pelo caminho, uma das coisas que me deixa logo sem saber o que fazer é quando alguém me estende uma mão para cumprimentar. Primeiro pensamento? 
Vou desiquilibrar-me e cair.
 É só confiança!
Olhar para trás a ver se vem alguém? 
Outra coisa que não consigo evito fazer. 
 Comecei a pedalar uma bicicleta de estrada há cerca de:... alguns meses. 
Desde então já caí 3 vezes. 
A primeira vez foi por causa dos pedais de encaixe. 
Da segunda vez, eu tentei parar para bater os pés, mas esqueci-me que tinha os pés presos. 
E a terceira vez foi: Depois de um arranque onde andei a ritmo mais elevado, olhei para falar a alguem que passava e.
 Quando olho para a frente, vejo que me tinha desviado da rota e estava perigosamente encostado a valeta.
 Tento desviar-me rapidamente, perco o equilíbrio e … CATRAPUM! Nada de especial.  Nada de feridas ou coisas complicadas. 
Nem sequer houve danos na bicicleta. 
Malabarismos a pedalar é uma cena que não me assiste.
MM

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.