domingo, 24 de agosto de 2014

Caso ou Compro Uma Bike??

Como alguém pode ficar em dúvida em coisas tão diferentes? Mas a verdade é que, quando temos que decidir entre A ou B, não importa se elas não tem nada em comum: o que importa é que queremos mesmo descobrir qual delas nos satisfaz. É isso que vivemos procurando, satisfação.
Faço Direito ou Medicina? Namoro ou fico solteira? Viro atriz ou jornalista? Moro só ou com meus pais? Caso ou compor uma bicicleta? É tudo muito diferente, mas tem o mesmo objetivo: satisfação. Somos eternos insatisfeitos, e quando fazemos uma escolha queremos que seja “a escolha”.
Em algum momento, a gente devia perceber que o certo é que não existe apenas uma opção certa para cada dúvida, e que se a gente se arrependeu de algo, é porque esse algo não é mais o que nos satisfaz (mas já foi um dia).Nada do que a gente decidir, vai nos trazer a satisfação eterna. É verdade, às vezes estamos satisfeitos, por 3 minutos ou 3 anos. Mas, em algum momento as dúvidas vão começar a surgir.
Chega um momento que ou a gente tem que decidir se dedicar ao outro, ou a si mesmo. E não tem nada mais individualista que uma bicicleta (tá, talvez tenha, mas não vem ao caso): um acento, um único e exclusivo acento. Um dia a maioria de nós, sonhou com uma bicicleta de natal. Ela representava a ideia maluca de dominar o mundo sobre duas rodas, de se aventurar, representava adrenalina. 
Casar, pra alguns, representa abrir mão dos seus sonhos por outra pessoa (e num futuro próximo por “outras pessoas”, os filhos). Casar ou comprar uma bicicleta? São os lados opostos de uma bifurcação. Essa frase pra mim, soa como “não sei se caso ou me dedico aos meus sonhos”. Direita ou esquerda, pra onde você vai?
E por que não viver as duas vias? Casar e comprar uma bicicleta! As duas opções não são excludentes. Um grande amor pode ser tão pleno, que a gente sente como se tudo fosse possível. Temos direito a todas as opções de felicidade, juntas, separadas, ao mesmo tempo ou não. Não é essencial a escolha de uma opção só.
Podemos casar e ter uma bicicleta. Ter alguém e ter o mundo. Trazer a realidade os sonhos de alguém e realizar os meus. Afinal, ambos são tão iguais em sua diferença: Por mais tempo que seja o espaço de tempo, a gente não esquece como é ser feliz, e vai reaprendendo, com alguns tropeços iniciais.
Logo logo estamos nós, sem medo algum, sem as duas rodinhas traseiras, de mãos pro ar… Completamente entregues às manobras radicais, cheios de si e de coragem para lidar com o mundo que a simples “magrela” pode nos proporcionar.

Não quero fazer apologia ao amor ou ao casamento, muito menos dizer pra abrirem mão de seus sonhos por alguém. Mas já dizia Vinicius de Moraes: “Ame. Porque nada melhor que um amor correspondido”. A atividade física só faz bem porque reduz o risco de diversas doenças e aumenta a produção de serotonina (o hormônio da felicidade). Um bom casamento alivia as pressões do dia a dia e nada melhor do que um grande amor pra viver feliz. A solução é simples, case e compre duas bicicletas.


Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.