sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Funcionários da petrolífera ExxonMobil aderem ao uso da bicicleta.

Não é um moinho de vento, é um gigante que atende pelo nome de ExxonMobil
A ExxonMobil é nada mais nada menos que a maior companhia de petróleo do mundo, com receita anual de mais de US$ 430 bilhões – o que equivale ao PIB da Argentina e é maior que a economia individual de mais de 160 países do planeta.
Convidado pelos diretores da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa), fui à empresa para dar uma palestra para 60 funcionários sobre o uso seguro da bicicleta como meio de transporte. É pouco? Para mudar o mundo, pode até ser. Mas ajudar a criar uma cultura mais sustentável e estimular o uso da bicicleta dentro da maior das Big Oil é algo muito significativo. É mais do que derrotar o gigante. É ensiná-lo a pedalar.
Menos petróleo, mais bicicletas
 Há cerca de dois anos, houve por parte dos funcionários da ExxonMobil uma tentativa de criar condições para estimular o uso da bicicleta. Mas a ideia sofreu forte rejeição da gerência e foi abortada.
Agora ela ressurge diante de uma constatação: a empresa não pode impedir que cada um decida livremente sua forma de se locomover. E, com um número cada vez maior de pessoas indo e vindo de bicicleta, não é mais possível tapar o sol com a peneira.
Por isso, ainda que não estimule institucionalmente, a preocupação com a segurança de seus colaboradores– valor número 1 da empresa – demandou a palestra sobre segurança no uso das bicicletas.
Paralemente, os funcionários vêm trabalhar internamente para criar mais condições para quem usa a bike no dia a dia. No próximo mês, será inaugurado um bicicletário — após negociação com o condomínio, quatro vagas de veículos serão eliminadas e passarão a ser destinadas exclusivamente às bicicletas. Também houve um acordo com um hotel vizinho, que vai ceder um vestiário e armário para quem vai ao trabalho pedalando.
Um grupo também organiza pedaladas noturnas às quintas-feiras após o expediente, como forma de atrair novos adeptos ao transporte sustentável.
Segundo os diretores da Cipa, hoje já são dezenas de funcionários que pedalam para o trabalho todos os dias. “Mas a tendência é de que o grupo cresça cada vez mais. O plano é atingir a massa crítica dentro da empresa, para que ela abrace a causa e crie programas institucionais de estímulo ao uso da bicicleta de forma segura”, diz um deles. Pedalando, eles certamente vão chegar lá.

*O valor do cachê da palestra foi doado à campanha de financiamento coletivo do III Fórum Mundial da Bicicleta, evento que será realizado em fevereiro de 2014, em Curitiba. Você também pode ajudar a financiar o Fórum clicando aqui.
MM

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.